mar 05 2010

Blog na educação

Published by

Texto de apoio à Oficina 1 (Blogs na educação)

A política como Situação de Estudo: um hipertexto em construção

Adão Caron Cambraia[1]

A temática política é o eixo de estudo no terceiro ano do Ensino Médio da Escola de Educação Básica Francisco de Assis, na área de Ciências Humanas e suas tecnologias. O objetivo é impulsionar discussões e reflexões sobre política na escola. Talvez, pelo fato de estarmos em vésperas de eleições, vários pedidos para discutir política foram feitos, principalmente pelo GECOM[2]. A partir dessas demandas, o coletivo da Escola (professores, alunos, coordenação pedagógica) passou a planejar algumas ações a serem executadas como, por exemplo, a Situação de Estudo[3] (SE) que denominamos “Voto Consciente”. Os componentes curriculares de Português, Filosofia e História, auxiliadas pela Informática envolveram-se neste trabalho, que é executado em uma turma de 28 alunos.

A SE permite uma aprendizagem mais significativa, pois se adota como objeto central situações reais, do contexto, da vida, no sentido mais amplo da palavra. Considerando os conhecimentos cotidianos, é possível mobilizar os interesses, desejos e expectativas dos alunos na elaboração de conhecimentos científicos. Portanto, cabe ao professor criar situações provocativas ou problematizadoras para apropriação dos conceitos implícitos na SE. Em outras palavras, em vez de roteiros de conteúdos descontextualizados da realidade, aparece o trabalho de criar condições para que os efeitos desejados se dêem, de posicionar-se diante das situações de maneira favorável aos resultados que se pretende obter (JULLIEN, 1998). Para tal, precisamos nos colocar como quem se comunica, não como alguém que comanda (CLASTRES, 2003), com a intenção de entender e sugerir atividades de acordo com a cultura da comunidade escolar.

Dessa forma, nossa preocupação inicial foi compreender o que os alunos sabiam de política, para em seguida propor as ações. Com este intuito, criamos um blog[4] (www.efadebatesfilosoficos.zip.net) para que eles escrevessem o que pensam e o que entendem sobre política. Essa estratégia possibilitou-nos a realização de leituras reflexivas que permitiram uma melhor compreensão do conhecimento que cada sujeito traz à escola. Além disso, os comentários dos alunos serviram como subsídios para uma análise dos discursos que circulam e constituem a comunidade escolar, permitindo a projeção de ações que potencializem a discussão e a reflexão sobre política.

Ao apresentarmos essa proposta para a turma, percebemos que a idéia foi aceita com interesse e entusiasmo. Mesmo assim, se por um lado ficamos satisfeitos, por outro, estamos preocupados em como manter a expectativa e obter o máximo de envolvimento e participação nas aulas. Como sabíamos que a maioria dos alunos está em idade de providenciar o título eleitoral, propomos o seguinte questionamento: “Qual a importância do voto aos 16 anos?” De imediato, percebemos que a atual situação do país influenciou negativamente os jovens, causando uma espécie de desilusão em relação à participação política (a maioria da turma demonstrou indignação), conforme o aluno João[5]:

Eu acho que quem tem 16 anos não dá muita importância para o voto porque nós, jovens, cada vez mais nos decepcionamos com a corrupção que está cada vez mais presente na política. Eu, particularmente, não tenho interesse em votar antes de completar 18 anos.

Apesar de o aluno João não ter intenção de votar, a maioria da turma afirma ser importante o voto aos 16 anos e admite que pretende exercer essa condição mínima de cidadania, conforme a aluna Marta:

Acredito que, hoje, muitos jovens de 16 anos, não todos, têm capacidade e maturidade para exercerem seu papel de cidadão brasileiro, votando com responsabilidade e consciência de quem quer contribuir com o melhor para o nosso país. Entendo a desistência do voto de muitos jovens pela falta da ética na política, (…) eu, particularmente, irei exercer o meu direito de cidadã brasileira esse ano, mesmo não tendo 18 anos.

A aluna Marta cita outro ponto de discussão relevante que é a cidadania. A clareza desse conceito nos parece essencial para o exercício da participação política. Assim, concordamos com Machado quando afirma que:

nada parece mais característico da idéia de cidadania do que a construção de instrumentos legítimos de articulação entre projetos individuais e projetos coletivos. Tal articulação possibilitará aos indivíduos, em suas ações ordinárias, em casa, no trabalho, ou onde quer que se encontrem, a participação ativa no tecido social, assumindo responsabilidades relativamente aos interesses e ao destino de toda a coletividade (2000, p. 43).

As respostas dos alunos serviram como subsídios para entendermos a concepção que cada um tem da temática e possibilitar a criação de propostas de trabalho vinculadas à concepção de cada sujeito. Notamos uma distorção no entendimento do que seja democracia, principalmente, quando restrito apenas ao direito ao voto. De um lado, querem isentar-se do voto; de outro, enxergam o voto como a única forma de participação, minimizando o conceito de democracia. Acabam por desautorizarem-se de serem sujeitos de criação de suas vidas. Não percebem que as leis da sociedade, ao contrário das leis da natureza, são modificadas pelos próprios homens (SAVATER, 2004). Isto é, a participação efetiva no processo democrático – eleitoral, filiação partidária, fiscalização da administração pública (sendo eleitos seus candidatos ou não), participação em associações e discussões nos mais variados grupos – é relevante para a construção da sociedade.

Nas aulas de História, aproveitamos as contribuições dos alunos para fazer uma reflexão sobre a democracia na Grécia Antiga e também sobre a construção do Estado brasileiro. Com a intenção de demonstrar a complexidade desse conceito, propomos a questão: “O que você entende por democracia?” Essa questão serviu de subsídio ao professor de Filosofia da UNIJUÍ[6] para organizar a palestra intitulada: “O exercício da política na escola”. A partir dessa palestra, destacamos duas reflexões que foram colocadas em discussão no blog: “Alienação é transferir para outrem o que é seu” e “Hoje a escola é o espaço (Ágora) de discussões políticas”. Com base nessas afirmações, pretendíamos constatar se os alunos se vêem como alienados políticos, perante os momentos de discussão disponibilizados pela escola.

Diante dos novos comentários, notamos que a idéia de democracia passou a abranger também a busca de informações, conforme afirma o aluno Lucas: “Estamos constantemente informados e bem atualizados acerca dos assuntos referentes à política brasileira e mundial. Também é um assunto discutido freqüentemente em sala de aula”. Primeiro havia um entendimento de que o voto bastava; depois, ressaltam a importância de manter-se informados e atualizados em relação à política.

Em alguns relatos está implícito, porém, que se informar não tem como finalidade o diálogo, a conversa, o debate, pois “chegamos à conclusão que se você quer perder uma amizade é só discutir política… ela é fanática, portanto cada um defende suas idéias a ponto de resultar em briga” (José). Acreditamos que isso se deve, em grande parte, à forma com que os meios de comunicação mais acessíveis para a maioria da população veiculam as informações, com uma visão fechada do fato ocorrido, muitas vezes, sem contextualizá-lo e sem permitir interações com o público. Percebemos que, para alguns alunos, os conceitos discutidos em aula não estavam claros e serviu como argumento para ampliar ainda mais os espaços de discussão[7], pois o debate é necessário para elaborar consensos (sempre provisórios) e para a efetivação da democracia.

Além dos espaços para ampliar as discussões e reflexões, nossas aspirações com o blog eram de ir além do questionamento feito pelo professor ao aluno – para compreender os sentidos que já se têm sobre determinados assuntos -, mas criar situações em que o próprio aluno formulasse os questionamentos, provocando um parto de idéias, uma maiêutica como Sócrates já destacou. É interessante ressaltar que quando o próprio sujeito problematiza sua realidade, esta se torna mais significativa, já que parte de seu conhecimento anterior (MORAES, 2002).

O exercício freqüente da escrita é uma maneira de possibilitar este se questionar e ainda permite uma melhor fundamentação dos argumentos e conhecimentos em reconstrução, pois o escrever serve como “provocação ao pensar, como suave deslizar da reflexão, como a busca do aprender, princípio da investigação”(MARQUES, 1997, p.26). A utilização de blogs na educação, ao contrário da maioria dos meios de comunicação de massa, proporciona esse exercício de autoria, o aluno e o professor podem tornar-se autores, impulsionando a criação coletiva e uma maior aproximação entre eles. Porém nunca é demais ressaltar que é necessário termos o cuidado para não tornar essa produção uma via de mão única – do professor ao aluno – e sim, uma via dupla – do professor com o aluno, impulsionando a lógica da comunicação interativa na sala de aula (SILVA, 2001).

Além de potencializar a reflexão e a reconstrução de argumentos, a autoria na internet – neste caso, através da criação de blogs – ainda possibilita a socialização (comunicação e avaliação) dos conhecimentos, permitindo o recebimento de críticas e a complementação de idéias, levando-nos novamente à reflexão sobre os conceitos elaborados. Assim, de acordo com Moraes (2002) o professor e o aluno participam do ciclo dialético essencial ao educar pela pesquisa, composto pelos elementos: questionamento, construção de argumentos e comunicação e avaliação.

Como nosso objetivo também foi priorizar a elaboração de textos próprios, dividimos a turma em grupos, cada qual escolheu um partido político para criar um blog. No endereço eletrônico da SE[8] são encontrados os links aos trabalhos de cada grupo. Os alunos estão utilizando o blog para escrever a história dos partidos, os planos de governo e criar hiperlinks para o site do partido escolhido, para o blog da SE e para o dos colegas, com a intenção de entender a ideologia de cada legenda, favorecendo o discernimento das pessoas em relação ao partido que mais contempla suas expectativas enquanto cidadão.  Além disso, aproveitamos o momento vivenciado da copa do mundo e sugerimos dois títulos para os alunos escolherem e desenvolverem uma dissertação: “O Brasil que também quero ver campeão” e “Os gols que também quero ver o Brasil marcar”. Trata-se de uma reflexão política, econômica e social. Conforme, os artigos de opinião eram postados[9], recebiam contribuições por parte dos colegas e professores, possibilitando aos autores novas reflexões e reescritas do texto. Com este intuito, convidamos os interessados a participar da construção do hipertexto.

Referências

CLASTRES, Pierre. A Sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. Traduzido por Théo Santiago. São Paulo: Cosac&Naify, 2003.

JULIEN, François. Tratado da Eficácia. Traduzido por: Paulo Neves. São Paulo: Ed. 34, 1998. (Coleção Trans).

MACHADO, Nilson José. Educação: projetos e valores. São Paulo: Escrituras Editora, 2000. (Coleção ensaios transversais)

MARQUES, Mario Osório. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. 4.ed. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2001.

MORAES, R. de; VALDEREZ, M. R. L (ORGs). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

SAVATER, Fernando. A importância da Escolha. Traduzido por: Paulo Antero Barboza. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2004.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Quartet, 2.ed. 2001.

Acessar oficina


[1] Professores da EFA – Escola de Educação Básica Francisco de Assis.

[2] Grêmio Estudantil Chico Mendes.

[3] A EFA tem uma caminhada com Situações de Estudos, destacado pela prática do grupo de Ciências da Natureza e suas Tecnologias articuladas em colaboração com o GIPEC (Grupo Interdepartamental de Pesquisa sobre Educação em Ciências) vinculado ao departamento de Biologia e Química da UNIJUÍ/RS. Mais informações sobre a SE ver: AUTH, M. Formação inicial e continuada de professores: interações realizadas no âmbito escolar.VI ANPED SUL, JUNHO DE 2006.

[4] São diários virtuais, que permitem a publicação de blocos de texto, dispostos em ordem cronológica reversa, com o conteúdo mais recente no alto da página. Cada bloco pode receber inúmeros comentários, que são respondidos ou não pelo autor da página. Além dos textos e dos comentários, o cuidado estético, a criação de links também fica por conta do autor.

[5] Os nomes utilizados neste artigo são fictícios.

[6] Msc. Maciel Viera.

[7] Por este motivo, ainda promovemos as palestras: “Voto consciente aos 16 anos” com o professor Djalma Cremonese (promovida pelo GECOM); “A organização dos assentamentos e do Movimento Sem Terra” com o agricultor Aílton Kroda e o contra-ponto com o Presidente do Sindicato Rural de Ijuí, Valdir Zardin. A criação do blog também teve a intenção de potencializar as discussões políticas para além do espaço da sala de aula.

[8] www.efadebatesfilosoficos.zip.net

[9] Termo utilizado para indicar a disponibilização de um bloco de texto no blog.

22 responses so far

22 Responses to “Blog na educação”

  1. Estela M. Mentgeson 16 abr 2010 at 16:36

    Pode parecer uma opinião radical, mas apesar de poderem votar aos 16 anos, muitos adolescentes escolhem votar aos 16 anos por causa da novidade que é ir até uma seção eleitoral, sem ter a noção do que realmente estão fazendo, e seguem a opinião dos pais ou outras pessoas que acreditam que estejam fazendo a coisa certa, mas que talvez façam a mesma coisa que eles estão fazendo: seguindo a maioria. Votar, e eleger um político apenas por causa da sua capacidade de falar em público, para não dizer a “lábia”, é incerto e não deve ser feito sob nenhuma hipótese.
    Na maioria das vezes são aqueles políticos que ficam para trás, os que não conseguem eleger-se, que apresentaram políticas e propostas consistentes e interessantes. E quando se elegem entram em uma rotina de corrupção e descaso simplesmente por não enfretarem a maioria, e estamos vendo isso nos meios de comunicação.

  2. Sandra Michelion 30 abr 2010 at 20:24

    Utilizando o blog na educação é possível criar condições para o aluno ampliar seus conhecimentos e se conectar com diversas pessoas que irão conhecer o blog e postar comentários… além de ser um exercício interessante de autoria, pesqisa e busca.

  3. cleoniceon 30 abr 2010 at 20:27

    Penso que com o blog é possível intreragir com os alunos através de comentários sobre os assuntos da aula, onde os alunos podem colocar suas opiniões e sugestões para o assunto em questão. Através de interações é possível ter novas ideias sobre o que esta sendo discutido na aula, também é possível encontrar assuntos , textos, e diversas sugestões de pesquisa ampliando o conhecimento.

  4. Isabel R.S e Denize Geremiaon 30 abr 2010 at 20:28

    Podemos utilizar o blog na aprendizagem sobre a musica em sala de aula,para que os alunos contribuem com seus comentários e dizem qual seu ritmo ou música que mais gostam,porém podem trazer grupos de dança para aprender em sala de aula,bandas entre outros e podem colocar fotos e comentários de como foi a aula.

  5. Laura Vargas/ Elisangela da Mottaon 30 abr 2010 at 20:28

    Adaptar o blog como uma proposta de ensino em nossas escolas, é uma forma de oferecer aos nossos alunos a oportunidade de criar através das tecnologias, desenvolvendo também sua criatividade, sua visão critíca referente à diversos assuntos de seu interesse, além do mais através deste recurso estaremos fazendo crescer em nossos alunos a vontade de saber cada vez mais… de buscar, criar e inovar!!!!!

  6. Simone e Chavéllion 30 abr 2010 at 20:28

    O Blog pode proporcionar momentos de interação entre sujeitos, auxiliando na construção do conhecimento de cada um. Trazendo discussões e questões a serem pensadas e expressadas para os que frequentarem o blog.

  7. Francielli Benettion 30 abr 2010 at 20:29

    Os blogs são formas de ensinar e aprender, muito ricas tanto para os professores como para os alunos. Recicla ambos, atualiza, instiga a curiosidade, a pesquisa e a aprendizagem, além de ser uma forma de comunicação entre alunos, professores, família e demais pessoas. É um instrumento para ensinar e aprender é uma forma de “intercâmbio” de conhecimentos e publicação de seus conhecimentos construídos e produzidos.

  8. Keli e Fernandaon 30 abr 2010 at 20:30

    O Blog pode aproximar a relação professor-aluno, bem como a comunidade em geral, podendo ser utilizado como instrumento de aprendizagem, troca de conhecimentos e discussões sobre temas atuais.

  9. Talita Bergmannon 30 abr 2010 at 20:30

    O uso das novas ferramentas tecnológicas online deve ter sempre em conta as limitações e potencialidades destas, para que de facto exista uma mais valia na sua aplicação. Portanto, o seu uso e escolha depende, em grande parte, dos objetivos a que nos propomos.

    Os blogs à semelhança de outras ferramentas têm vantagens e desvantagens.

    Podem ser criados e geridos por professores (individualmente ou em grupo), por alunos (individualmente, por grupos de trabalho, ou por turmas) e até simultaneamente por professores e os seus alunos. O público-alvo de um blog destes poderá ser professores, alunos, pais, comunidade educativa em geral, e pode até não ter um público-alvo específico. De qualquer forma o conteúdo fica acessível a todos os que visitem o blog.

  10. Damares e Elisianeon 30 abr 2010 at 20:31

    A partir de um blog, podem-se aprofundar ainda mais a relação professor aluno. Pois dentro dele o aluno tem mais liberdade para expressar sua opinião, sem constrangimentos. Pois se fizer oralmente ele pode se atrapalhar devido ao seu nervosismo, coisa que é super natural!
    Além destas interações, pode ocorrer também trocas de idéias entre colegas e entre demais internautas que poderão trazer suas contribuições. Engrandecendo assim o seu processo de ensino aprendizagem.

  11. Renata Carlineon 30 abr 2010 at 20:31

    O blog na educação é uma ferramenta a mais para o ensino/aprendizagem, acredito que se usada de uma forma eficaz, terá bons resultados. Sem falar que pode ser um meio onde haja interação de alunos com o professor, e quando tiver acesso a própria familia poderá estar por dentro dos acontecimentos que ocorrem na escola, na sala de aula e poderá contribuir com ideias novas.

  12. Maria Alice e Micheleon 30 abr 2010 at 20:34

    Troca de opinião fora da sala de aula, participação ativa de todos; exposição de trabalhos; a busca dos alunos pela informação; o professor buscar sempre trabalhar com tecnologias, pois é uma realidade do aluno.

  13. ISABEL CRISTINA, ADRIANA E SIMONE ARRUDAon 30 abr 2010 at 20:36

    Na nossa opinião, poderiam ser criados diversos tipos de blogs.
    Por exemplo:
    * A cultura gaúcha;
    * Novas regras ortográficas;
    * O medo infantil;
    * Dificuldades na aprendizagem;
    * Dislexia;
    * Dicas de leitura;
    * Hiperatividade.

  14. Estela Muenchen Mentgeson 10 maio 2010 at 22:47

    Olha, todos falam bem do blog como ferramenta de aprendizagem, eu concordo com a possibilidade de aprendizagem, mas tem um porém: e a tecnologia pra isso? E o preparo dos profissionais para tirar as dúvidas dos alunos, durante a utilização disso? Muitas vezes, o professor perde para o aluno, e acho isso louvável, pois ele deve saber como aprender com os seus erros.
    Mas, e aqueles alunos que não tem como fazer um blog em casa? E aquelas escolas que não possuem condições de utilizar a Web em Sala de Aula? Pois de nada adianta, no caso de utilizar blogs, termos Web na secretaria da escola!!!
    Esse é o problema!! E falo isso pra questionar tudo o que as colegas falaram até aqui, pois concordo com “quase” tudo o que elas disseram.

  15. Laíson 23 ago 2010 at 21:07

    Eu penso que a criação de um blog na turma, é extremamente útil para a educação, pois é uma forma de interação entre aluno e professor, onde o aluno tem mais facilidade de se expressar.

  16. elaineon 23 ago 2010 at 21:18

    considerando a era digital podemos dizer que o blog pode auxiliar na aprendizagem
    a preocupação é se as instituições estão capacitadas para atender a essas exigencias, sendo que as aulas de informática tem as pesquisas limitadas, ou são apenas jogos;portanto precisa-se também de pessoas capacitadas para atender essa galera que está “sedenta” por este livro digital……….

  17. Camila Alveson 23 ago 2010 at 21:19

    Como a tecnologia hoje é uma das principais ferramentas de estudos, esta ai a oportunidade de explorar nossos conhecimentos criando blogs educacionais,o qual são de livre acesso, onde a comunidade da sua opinião, participa e interage conosco.O Blog, no entanto é um espaço onde podemos postar atividades, músicas, videos, fotos, mensagens e muito mais.O que mais tarde podemos levar para escola como uma ferramenta de estudo e atividade proposta para os alunos.
    Talvez nos dias de hoje a utilização do Blog seja de exprema importância, pois além de estar por dentro do espaço tecnológico o aluno estará aprendendo.Por isso acho importante a criação de um blog, que traga as realidades que estão acontecendo no mundo hoje, que tragam consigo mensagens de reflexão.Também seria legal atividades divertidas,desenhos, videos etc…E muito mais

  18. cirlani covarion 23 ago 2010 at 21:22

    A tecnologia é importante para todos, a forma de um blog fez com que professores e alunos enteragirem com mais liberdade de expreção sem medo. O meio virtual é um meio de interação, estudos, diverção, alem de proporcionar o convivio com o mundo.

  19. Mairaon 23 ago 2010 at 21:22

    Esta ferramenta é muito interssante, pois todos podem interagir, é um conhecimento global, todos podem dar sua opinião, conhecer e aprender com os outros sujeitos.
    É uma maneira de professores e alunos aprenderem juntos, de trocar ideias e maior participação dos alunos tambem. Acho bem interessante os temas que as colegas Isabel, Adriana e Simone colocaram como sugetões são assuntos que estão a todo momento aparecendo nas salas de aulas.

  20. chana edlinger cerettaon 23 ago 2010 at 21:54

    A tecnologia está aí cada vez mais batendo á nossa porta será necessário aderir a ela, mas para que as crianças menos favorecidas sejam excluidas será preciso que aja muito investimento do governo.
    Acho importante a utilização de blogs e uma maneira de comunicação e de estudos atravez dele onde todos os alunos terão sua propria opiniões até aqueles que são timídos.

  21. Marlucion 29 ago 2010 at 9:16

    Hoje a escola é um espaço em transformação, é importante que se alie as tecnologias e diferentes formas de informação, comunicação, para que atinja a todos os publicos que recebe. Os Blogs podem ser instrumentos importantes na aprendizagem, desde que o planejamento que se faz a partir deles seja muito bem pensado. Os blogs proporcionam momentos de discussão riquissimos, liberdade de expressão de opinioes, permite a argumentação e faz pensar, refletir. Podem ser abordados diferentes temas do interesse de cada um, temas polemicos ou simplismente temas para estudo. desta forma demonstra ser um instrumento importante na construção e aprimoramento de conheimentos.

  22. Daianeon 13 set 2010 at 19:46

    A metodologia da escola precisa inovar-se, a sociedade mudou, os tempos são outros, porém o ensino perpetua sua maneira tradicional de ensinar. Penso que é necessário voltar os estudos mais perto dos interesses dos educandos, para cativá-los, incentivá-los a buscar, a sondar. A tecnologia vem a proporcionar uma nova visão, precisa estar voltada para o campo da pesquisa, dos questionamentos. Usar as ferramentas que a tecnologia disponibilza hoje com certeza é um grande avanço, por exemplo o blog, que promove uma interação de alunos, professores e outros interessados, possibilitando a livre expressão e debates de assuntos do cotidiano.

Trackback URI | Comments RSS

Leave a Reply

Spam Protection by WP-SpamFree